+ Revista TUdo

Fiscais orientam sobre a proibição do fornecimento de canudos de plástico

Escrito em 02/08/2019
Revista Tudo


Como já noticiamos por aqui, Cotia foi a primeira cidade brasileira a ter uma lei sobre a proibição dos canudos de plástico. Agora, os fiscais da Secretaria de Indústria e Comércio de Cotia estão visitando os estabelecimentos comerciais instalados no município para orientar os responsáveis. A ideia é educar para depois fiscalizar. A Lei de Cotia é de 2018, mas, de acordo com a administração municipal, a fiscalização não começou de imediato para não haver prejuízo para os comerciantes. “Grandes redes se adequaram imediatamente, mas os estabelecimentos menores teriam dificuldade. O objeto não é punir, simplesmente, é construir uma nova consciência, é convencer a sociedade de que precisamos de formas alternativas de consumo que agridam menos o meio ambiente”, disse o prefeito Rogério Franco. 

 

Danos ambientais 

A sociedade mundial está tão habituada ao uso do canudo de plástico que, muita gente, nem para e pensa no impacto ambiental em consequência de sua produção. Feitos com polipropileno e poliestireno, os canudinhos não são biodegradáveis e podem demorar até mil anos para se decompor no meio ambiente, bem mais tempo do seu prazo de uso, já que, em média, cada canudo é utilizado por apenas quatro minutos.  

Os canudos vão parar nos rios, nos mares e causam um grande prejuízo, tanto por ficarem séculos poluindo o meio ambiente até serem decompostos e, o mais grave, ferem e matam milhares de animais, especialmente os marinhos.